Tools

A Secretaria estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Lygia Pupatto, lançou, nesta sexta-feira (14), na Universidade Estadual de Maringá, o programa Universidade em Movimento, pelo qual vai disponibilizar, para a UEM, cerca de R$ 18 milhões ainda neste ano.

Antes da solenidade, Lygia e o secretário estadual do Planejamento, Ênio Verri, foram recebidos na sala do Conselho de Administração, pelo reitor Décio Sperandio, que estava acompanhado do chefe de Gabinete, Júlio Santiago Prates Filho, e de alguns diretores de centro, membros do CAD.

A solenidade de lançamento do novo programa da Seti ocorreu no auditório da Engenharia Civil, Bloco C-67, e reuniu cerca de 200 pessoas, incluindo integrantes da administração e os membros dos três conselhos superiores da UEM.

Com o valor liberado, a universidade investirá R$ 8,6 milhões na construção de sete blocos, com salas de aulas e laboratórios (incluindo o do Campus Regional do Arenito, em Cidade Gaúcha), num total de 27 mil metros quadrados; R$ 2,1 milhões na compra de equipamentos para os cursos de graduação e de pós-graduação; montará 42 laboratórios de informática completos, um para cada curso de graduação, adquirindo 1.260 computadores, mesas e cadeiras, num investimento de R$ 2,2 milhões; modernizará as fazendas escolas, comprando três tratores, três colheitadeiras e três caminhões basculantes, visando a melhorar as condições de ensino e pesquisa dos cursos de ciências agrárias, no valor de R$ 563 mil; e comprará, para servir aos projetos do programa Universidade Sem Fronteiras, também da Seti, um microônibus, duas paratis (transporte leve), e uma kombi (escolar).

Além disso, outros cerca de R$ 4 milhões serão gastos na instalação da torre de internet banda larga, gratuito e sem fio e na infra-estrutura para disponibilizar este tipo de rede.

 

VISÃO E DETERMINAÇÃO

 

O reitor Décio Sperandio manifestou agradecimentos e sentimentos de gratidão pelo trabalho desenvolvido pelos secretários Lygia e Ênio Verri e elogiou a atuação inclusive nas ações que não depende diretamente deles, fazendo o trabalho de interlocução e convencimento.

Sperandio disse acreditar que nunca houve, no Paraná, secretários com a mesma visão e determinação de Lygia e Verri. O reitor se referia à gestão voltada para as políticas públicas desenvolvidas pelas instituições de ensino superior.

Para o secretário de Planejamento, que é professor de Economia da UEM, as conquistas anunciadas naquele momento eram justas e representavam um avanço, fruto do reconhecimento de um trabalho conjunto envolvendo o governo e a comunidade universitária.

Verri elogiou a gestão de Lygia na condução dos projetos e programas na Seti, especialmente por ela ter enxergado o potencial social e humano das universidades na formulação das políticas públicas.

Lygia disse que nunca se investiu tanto na ciência e tecnologia do ensino superior como neste governo, a começar pelos valores repassados à UEM, de R$ 35 milhões, entre 2003 e 2008, a título de projetos estratégicos e acadêmicos.

Segundo ela, o orçamento da Seti para este ano é R$ 1,2 bilhão, dos quais R$ 230 milhões destinados para a UEM. Ela anunciou, para 2009 e 2010, a liberação de quase R$ 6 milhões para o programa de capacitação dos professores das IES, apoiando à pós-graduação em nível de mestrado e doutorado (stricto sensu), e de R$ 9,5 milhões para o programa de apoio à pesquisa básica e aplicada.

No pacote do programa Universidade em Movimento, a secretária também anunciou recursos para os chamados arquivos deslizantes (aquisição de novos equipamentos para a conservação de documentos e melhoria das condições de trabalho dos técnicos universitários); para o programa de apoio às publicações científicas; e apoio à pós-graduação stricto sensu interinstitucionais minter (mestrado) e dinter (doutorado).

 

“REVOLUÇÃO SILENCIOSA”

 

Lygia enalteceu a colaboração do reitor e do vice-reitor Mário Azevedo como grandes companheiros para discutir e superar muitos desafios. Ela destacou também Verri como um grande parceiro na discussão e na contribuição para o desenvolvimento regional, estadual e até nacional.

A secretária parabenizou a UEM por ter sido a única universidade que já estava com projetos elaborados e aptos a receber os recursos do Universidade em Movimento, destinados à construção. Na opinião dela, isso traduz uma determinação de gestão a médio e longo prazo.

Depois, cumprimentou a instituição pela excelência na qualidade do ensino, pesquisa e extensão, traduzida nos prêmios recebidos em nível nacional e nas ótimas posições dos rankings divulgados pelo Ministério da Educação.

Conforme ela, com o governo Requião o Paraná passou a tratar de maneira diferente as IES no tocante à destinação de recursos para ciência e tecnologia, pois até 2002, segundo a secretária, a maioria da verba era direcionada para iniciativa privada, principalmente via Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Afinal, frisou, as universidades públicas respondem por cerca de 90% das pesquisas científicas no Estado e no Brasil. Somado à iniciativa de elevar de 25% para 30% o percentual a ser investido anualmente na educação, Requião, segundo Lygia, mostra sensibilidade em relação ao ensino superior. Para ela, por meio do Universidade em Movimento, a Seti está “fazendo uma revolução silenciosa” no Estado

 

ESCOLA MILTON SANTOS

 

A secretária recebeu de um dos coordenadores da Escola Milton Santos, Armelindo Rosa, um pedido para que a Seti altere o convênio com a Escola, visando a prorrogar o prazo de vigência do contrato e promover mudanças no plano de trabalho.

Vigente desde 2003, com prazo para encerrar em dezembro próximo, no valor de quase R$ 1 milhão, o convênio favorece a Milton Santos no sentido de oferecer materiais para construção e reforma de espaço pedagógico, construção e equipamentos de laboratórios químicos e de informática, construção de uma plenária para 300 pessoas, e infra-estrutura para a manutenção de um sistema de pastoreio.

De acordo com Armelindo, cerca de 60% das benfeitorias previstas pelo convênio já estão concluídas. A Escola Milton Santos fica na saída para Paiçandu, ao lado da Penitenciária Estadual.

A solenidade de lançamento do programa Universidade em Movimento na UEM teve, ainda, a participação do cacique Pedro Lucas, da reserva Caingang de Faxinal. Ele fez parte da mesa de honra durante a cerimônia .