Tools

O presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eduardo Pereira Nunes, participou da abertura do 3º Seminário Nacional dos Observatório das Metrópoles ontem à noite no Hotel Deville em Maringá. Nunes apresentou, praticamente em primeira mão, a nova estrutura e a organização para o próximo censo demográfico brasileiro.

Uma das novidades é a inclusão de questões dirigida às diferentes minorias, possibilitando analisar melhor as características e modelos de ocupação dessa população. Outra novidade apresentada é quanto à informatização do Censo 2010. Todos os 280 mil recenseadores terão um computador de mão para transmissão de dados em tempo real. Dessa forma, o trabalho de campo será realizado de setembro a novembro de 2010 e já em dezembro todos os dados estarão disponíveis. Outra notícia bem recebida por todos é a de que todos os dados e bases de mapas serão disponibilizados gratuitamente à população em geral, diferente do que acontece hoje. Nunes ainda explicou que as novas tecnologias de sensoriamente remoto e georeferenciamento de dados, que serão usadas pelo IBGE no recenseamento, permitirão o mapeamento preciso que será disposto numa base de mapas, permitindo uma visualização muito mais clara do que tabelas.

Para a professora da Universidade Estadual de Maringá e coordenadora do evento, Ana Lúcia Rodrigues, todas as mudanças anunciadas por Eduardo Nunes são bem-vindas e prometem impulsionar os trabalhos de pesquisa da Rede Observatório das Metrópoles, a qual ela integra estando ligada à Região Metropolitana de Maringá. “Nosso principal eixo de pesquisa tem como base os diferentes censos produzidos pelo IBGE. O fato de que eles estarão desagregados para setores e regiões específicas agilizará nosso trabalho permitindo fazer a leitura social dos territórios municipais com mais precisão e agilidade”, frisa a professora. Ela também destaca que a vinda do presidente do IBGE não só abrilhantou ainda mais o evento, como também representou a consolidação de uma parceria existente entre a Rede e o Instituto.

“Para o pesquisador foi importante ouvir informações consistentes e atuais direto da fonte”, reforça. A abertura do evento, que segue hoje e está sendo realizado junto com o 1º Seminário do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UEM, reuniu não apenas pesquisadores e coordenadores de Núcleo da Rede, mas também o coordenador da Rede Nacional do Observatório das Metrópoles, Luiz César Queiroz Ribeiro, o chefe da Unidade Estadual do IBGE no Paraná, Sinval Dias dos Santos, o coordenador da Região Metropolitana de Maringá, José Augusto Felipe, diversos diretores regionais do IBGE e prefeitos e secretários municipais. O vice-reitor da UEM, Mário Azevedo, também marcou presença na solenidade. Na pauta de hoje serão discutidas a descrição e análise da evolução ocupacional dos territórios metropolitanos brasileiros na década de 1990. O assunto é relevante, segundo a coordenadora, porque ajuda a perceber se as caracterizações anteriores de ocupação de áreas metropolitanas, cuja característica principal é a segregação social, se manteve no período em estudo. Toda a programação do evento está site www.cch.uem.br/observatorio.

A organização é da UEM, por meio do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Departamento de Ciências Sociais, Observatório das Metrópoles/Núcleo Região Metropolitana de Maringá; e Observatório de Políticas Urbanas e Gestão Municipal. O apoio é do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Fundação Araucária, Maringá Convention & Visitors Bureau, Compubras Computadores e Periféricos e Sicoob Metropolitano – Maringá. Outras informações pelo fone (44) 3261-4287.