Tools

A UEM inaugurou, ontem (13), em parceria com o Ministério da Saúde, a primeira Farmácia Popular do Brasil instalada numa universidade estadual no País. Localizada no anexo do bloco Q-04, ao lado da Farmácia-Ensino, num espaço de 102,82 m², a Farmácia disporá de 95 medicamentos classificados como essenciais e constantes da Rename (Relação Nacional de Medicamentos), enviados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Os remédios da atenção básica, que serão vendidos com até 90% de desconto em relação dos preços de mercado, atendem cerca de 80% das doenças que atingem a população. Vão estar à disposição produtos para hipertensão, diabetes, úlcera gástrica, depressão, asma, infecções e verminoses, além de medicamentos contra cólicas, enxaqueca, queimadura, inflamações. Os anticoncepcionais também serão disponibilizados a preços bem mais acessíveis.

Além de uma recepção, o prédio tem duas salas para técnicos, almoxarifado, sanitários e copa. Oito alunos do 4º curso de Farmácia atuarão como bolsistas no local, orientando os usuários sobre cada medicamento. A UEM também já contratou um assistente de gestão, um auxiliar de gestão e um vigilante.

A Farmácia funcionará de segunda a sexta-feira das 8 às 18 horas (sem intervalo) e aos sábados das 8 às 12 horas. O farmacêutico responsável será Ivens Camargo Filho. O telefone da Farmácia é 3261-1398.  

Ao discursar na inauguração, a professora Raquel Soares Tasca, executora do convênio para a implantação da Farmácia Popular na UEM, lembrou que o processo teve início em junho de 2006, na gestão do ex-reitor Ângelo Priori. Lembrou, ainda, que o convênio foi assinado na gestão do professor Vanildo Rodrigues Pereira como diretor do Centro de Ciências da Saúde.

Segundo Tasca, a Farmácia surgiu com o objetivo básico de prestar atendimento de qualidade, de oferecer assistência farmacêutica, e de servir como campo de estágio supervisionado.

De acordo com a professora, o estágio vai enriquecer a formação dos alunos. Além disso, ela salientou que, com a orientação adequada a ser dada aos usuários certamente, o volume de internação de pessoas e de ocorrência de casos graves de doença será reduzido.

Representando a Fiocruz, a farmacêutica Ticiane de Camargo, de Curitiba, informou que existem 517 unidades da Farmácia Popular do Brasil implantadas no País e que107 serão criadas até o final deste ano.

Conforme ela, numa pesquisa feita pela Fiocruz ficou constatado que 91% dos usuários aprovam o funcionamento da Farmácia Popular, enquanto que 97% consideram o atendimento como sendo o ponto forte da unidade.

Segundo Ticiane, já funcionam 14 farmácias desta natureza no Paraná e que, em termos de Brasil, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, foi a primeira instituição de ensino superior federal a receber uma Farmácia Popular no País.

A chefe do Departamento de Farmácia e Farmacologia (DFF), Graciete Matioli, disse que a Farmácia vai ajudar muito o curso e que o projeto permitirá a interação com a comunidade maringaense, além de atender também a comunidade interna.

Para o diretor-adjunto do Centro de Ciências da Saúde (CCS), Ângelo José Pavan, a parceria da UEM com o Ministério da Saúde é muito importante porque vai ampliar o acesso aos medicamentos. Conforme ele, esta parceria também possibilitará maior incremento nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.

O vereador Humberto Henrique, que representou o presidente da Câmara Municipal, Mário Hossokawa, afirmou que em 2006 esteve em Brasília para conhecer o projeto da Farmácia Popular. Foi ele o autor da lei para a criação da Farmácia Popular em Maringá, sancionada pelo prefeito Silvio Barros na primeira gestão.

Henrique ressaltou que a UEM está de parabéns por ter aceito a idéia de implementar o projeto na instituição, consolidando a implantação da segunda Farmácia Popular do Brasil na cidade (a primeira funciona desde maio de 2008 na Vila Operária).

O prefeito Silvio Barros informou que 60% da população maringaense mora abaixo da avenida Colombo. Portanto, a Farmácia inaugurada vai atender à maioria dos habitantes do município, segundo ele.

Ele parabenizou a professora Raquel Tasca e disse que até o final deste ano a Prefeitura Municipal iniciará a duplicação da rua Lauro Werneck, de forma a tornar mais próximo o portão de acesso do público à Farmácia Popular na UEM.

O reitor Décio Sperandio destacou que a UEM possui a competência para executar políticas públicas de Estado, justamente por ter capital humano. De acordo com ele, a UEM tem feito a sua parte e poderá fazer ainda mais neste aspecto.

Sperandio revelou também que a Farmácia Popular tem tripla finalidade: auxiliar na consolidação da identidade da instituição, servir de laboratório de ensino e de apoio à formação de alunos; e prestar o serviço de saúde à população.

A inauguração reuniu também, entre outras autoridades, o chefe de Gabinete da Reitoria, Júlio Santiago Prates Filho; pró-reitores e diretores de Centro e assessores da UEM; o coordenador da região Metropolitana de Maringá, José Augusto Felipe (representando o vice-governador, Orlando Pessuti); o presidente do Conselho Regional de Farmácia e do Conselho Federal de Farmácia, Arnaldo Zubioli; o superintendente regional da Caixa Econômica Federal, Fábio Carnelós; a chefe do Núcleo Regional de Educação, Adelaide Colombari; e a representante do secretário estadual de Planejamento e Coordenação Geral, Renata Froeming.

 

uem tv