Tools

A UEM irá receber, nesta sexta-feira (6), a certificação do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) concedendo a licença ambiental a todos os 112 laboratórios do câmpus sede.  A entrega do certificado será às 9h30, no auditório dos Colegiados Superiores, no térreo do Bloco da Reitoria. 

A administração da UEM comemora a conquista que é o resultado de um esforço conjunto. A orientação do IAP, da Sanepar e do Corpo de Bombeiros foram decisivas. No âmbito interno da Universidade, o destaque é para o trabalho da Procuradoria Jurídica, que atentou para a legislação pertinente, além dos supervisores do serviço de radioproteção, do Programa ProResíduos e do Comitê de Ética Ambiental. Desse conjunto, resultou o atual projeto de destinação dos diferentes resíduos gerados pelos laboratórios, inclusive com a unificação dos efluentes líquidos gerados.

A administração central fez a sua parte, liberando recursos e executando obras. O resultado veio com um componente inédito. “Essa é a primeira vez que a UEM garante licença ambiental englobando todos os laboratórios”, atesta o reitor Décio Sperandio. Ele lembra que até aqui, as licenças eram individuais, concedidas isoladamente a poucos laboratórios.

Segundo o chefe do escritório regional do IAP, o engenheiro Paulino Heitor Mexia, a certificação terá validade até outubro de 2015, sendo renovável. Ele disse que todo o projeto foi analisado e as vistorias devidamente feitas pelos técnicos do IAP, resultando no requerimento de licença de operação sob número 19.752. “O importante agora é o compromisso de toda a Universidade na execução do plano de gerenciamento de resíduos”, opina Mexia. Ele também chama a atenção para a necessidade de melhorias contínuas e atualização do plano.

A certificação põe fim, no âmbito jurídico, às questões envolvendo os laboratórios da UEM. O chefe regional do IAP informou que já encaminhou uma cópia da certificação ao Poder Judiciário.

Durante a entrega do documento, amanhã, será feita uma apresentação das ações do ProResíduos, bem como da destinação que é dada a cada corrente de resíduos.

A UEM gera aproximadamente 40 mil quilos de resíduos ao mês, entre sólidos, químicos, líquidos, agronômicos, radioativos, biológicos, serviços de saúde e entulho de obras. Desses, 23 mil são recolhidos pela prefeitura, mas que num curto prazo estará sob a responsabilidade da Universidade. O custo estimado para tratamento de todo esse lixo é de aproximadamente R$ 413 mil por ano.

A coordenação do PróResíduos adianta que a UEM deverá zerar esses custos a partir do funcionamento da central de tratamento de resíduos, juntamente com o equipamento de tratamento de resíduos da área de saúde, através de gasificação e combustão combinados. A central já está em fase de construção e o equipamento já foi adquirido pela Universidade.

O projeto ainda inclui o reaproveitamento de papéis para a produção de agendas, pastas, blocos, que já são produzidos em baixa escala. Atualmente apenas 30% desses materiais são separados na UEM. A idéia é reciclar 100%. A previsão é até o final de 2010 a central entre em funcionamento.

 

uem tv