Tools

O Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM) vai receber da Companhia Paranaense de Energia (Copel) cerca de R$ 310 mil para custear projetos de modernização e melhoria de equipamentos e sistemas elétricos. Com a contrapartida do HUM, o investimento no hospital da UEM será de R$ 324.681,00.

A assinatura do termo de cooperação com a estatal ocorreu no último dia 23 de dezembro, em Curitiba, com a presença do reitor Décio Sperandio e alguns diretores do hospital. A cerimônia ainda reuniu o vice-governador Orlando Pessuti e o presidente da Copel, Rubens Ghilardi.

Além do HUM, também foram contemplados outros quatro hospitais beneficentes sem fins lucrativos ou vinculados ao governo estadual como participantes do Sistema Único de Saúde. Outros 10 estabelecimentos já estão sendo beneficiados.

Os cinco hospitais receberão R$ 4,12 milhões a fundo perdido. O objetivo é aumentar a eficiência do consumo de energia elétrica nestes hospitais e combater o desperdício, reduzindo as despesas com eletricidade. Com isto, a idéia da Copel é otimizar a utilização das instalações elétricas existentes, postergando a necessidade de novos investimentos em obras de ampliação e reforço do sistema.

Numa segunda etapa, a ser executada neste ano, a meta é contemplar outros 22 hospitais e instituições, com investimentos estimados pela Copel da ordem de R$ 1,6 milhão.

O projeto de eficiência energética integra o Programa de Eficiência Energética da empresa. Trata-se de um compromisso previsto na legislação e nos contratos de concessão de todas as distribuidoras de eletricidade do país, cujo cumprimento é fiscalizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel.

Totalmente desenvolvido pela Copel, o projeto contempla a substituição de equipamentos antigos, pouco eficientes e que consomem uma grande quantidade de energia, por equipamentos mais modernos e eficientes, que realizam o mesmo trabalho mas consumindo menos eletricidade.

Na primeira fase está prevista a substituição de 11.091 luminárias, 30.403 lâmpadas (entre fluorescentes e incandescentes), 438 aparelhos de ar condicionado, 206 refrigeradores, 38 motores, 2 lavadoras e 2 centrífugas especiais para uso hospitalar, além de 6 autoclaves – equipamento usado para a esterilização de materiais hospitalares e cirúrgicos.

Além do significado em termos ambientais, devido à retirada de equipamentos que emitem gases nocivos à camada de ozônio, as substituições acarretarão economia.

A Copel prevê uma redução anual de 4 milhões de quilowatts-horas no consumo de energia elétrica dos 15 hospitais incluídos na primeira etapa do projeto, com uma redução de 600 quilowatts de demanda no horário de ponta do sistema elétrico.