Tools

PROJETO

A proposta é de um atendimento multidisciplinar

 

O Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM) vai ganhar um Centro de Atendimento Integrado. O novo serviço será uma Unidade de Saúde Física e Mental, ligada ao Hemocentro Regional de Maringá, que presta serviços para os municípios da 15ª Regional de Saúde em todo o processo do sangue, da captação, coleta, exames sorológicos e imunohematológicos de doadores voluntários de sangue. O projeto foi apresentado, na última semana, para o Conselho Municipal de Saúde, num encontro realizado na Sala de Reuniões do Paço Municipal (foto abaixo, Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Maringá).

Segundo a assessora da Oncologia Pediátrica, Sílvia Maria Tintori, o Hemocentro conta com o ambulatório de Hematologia e Hemoterapia, que é referência não somente para a 15ª Regional, mas também, para a Macro Região Noroeste. Estas especialidades atendem portadores de doenças do sangue: problemas de coagulação hereditários, sendo a mais comum a hemofilia; as anemias hereditárias (anemia falciforme e talassemia) e anemias adquiridas dentre outras. 

REUNIAO CONSELHO DE SAUDE peq

Silvia Tintori explicou que os pacientes com hemofilia, por exemplo, têm deficiência de coagulação. Apresentam sangramentos constantes, sejam por traumas (aqueles que apresentam a forma mais leve da doença) ou sangramentos espontâneos na forma mais grave. Estes sangramentos constantes comprometem músculos, que se atrofiam, e em especial as articulações, provocando deformidades musculares e articulares, principalmente, quando não são tratados adequadamente. Por isso, os pacientes “precisam de tratamento adequado com reposição de fatores de coagulação e atividade física, que possam aumentar o tônus muscular, diminuindo o traumatismo muscular e a amplitude articular. A melhoria da condição física geral, da força muscular e da flexibilidade do paciente dá maior apoio a sua articulação e torna menos provável a possibilidade de hemorragias, levando a diminuir as deformidades e mantendo o aumento da força muscular e movimento articular”, disse a assessora de oncologia do Hemocentro.

Para Tintori, no entanto, a principal doença desse grupo, por ser a mais comum na população brasileira, é a anemia falciforme, uma patologia hereditária, que ocorre quase que exclusivamente em indivíduos da raça negra ou em seus descendentes. Ela altera as propriedades funcionais da hemoglobina e provoca crises dolorosas, úlceras, infecções e atraso na maturação física. As crises dolorosas acometem os ossos, músculos e articulações associadas ou não a infecções, acontecem na maioria dos casos na exposição ao frio e quando se faz esforço. Diante deste quadro, o doente falcêmico pode praticar uma atividade física, mas com muita moderação e acompanhamento. “Não só pode como precisa praticar, pois a atividade física tem como objetivo um benefício terapêutico. Principalmente, para esse grupo de pacientes, a ampliação de assistência na reabilitação física traz resultados mais efetivos e mais rápidos, o que reflete em uma melhor qualidade assistencial, bem como no gerenciamento da oferta de leitos, uma vez que contribui para diminuição do tempo de internação, já que se pode oferecer um tratamento em nível ambulatorial. Mas o CAI-CMS vai oferecer também aos pacientes internados no HUM a possibilidade de acessibilidade ao tratamento fisioterápico em espaço adequado e equipado o mais precocemente possível”, completa a professora.

Serviço de Atendimento ao Autista - A Unidade de Psicologia Aplicada (UPA) é uma extensão do Departamento de Psicologia (DPI) da UEM, cuja função é fornecer as condições necessárias para a formação do psicólogo através da organização do estágio curricular supervisionado. O CAI-CMS vai ser construído numa área anexa à UPA e vai abrigar o Serviço de Atendimento ao Autista, oferecendo tratamento à comunidade e a possibilidade dos formandos em Psicologia lidarem com esse problema que vem crescendo no mundo.  

O autismo é uma patologia que se caracteriza por déficits na comunicação e na interação social, além de comportamentos repetitivos e áreas restritas de interesse. Desde 2010, a taxa de autismo é estimada em cerca de 1-2 a cada mil pessoas em todo o mundo, ocorrendo mais em meninos do que meninas. O número de pessoas diagnosticadas vem aumentando drasticamente desde a década de 1980, em parte, devido às mudanças na prática do diagnóstico e aos incentivos financeiros para realizar esses diagnósticos. No Brasil, a estimativa é de dois milhões de autistas. Estima-se que existam em Maringá e região 4.800 autistas, respeitando estudos epidemiológicos que apontam para 0,6% da população.

“O novo local atenderá aos projetos de extensão da UEM, já realizados pela UPA com portadores Transtorno do Espectro Autista (TEA), bem como possibilitará a ampliação de atendimentos aos novos pacientes com atenção individual, familiar e grupal, além de também oportunizar a esses pacientes a acessibilidade ao condicionamento físico, com uma orientação profissional adequada às suas necessidades, no espaço destinado a essas atividades”, explicou a coordenadora Administrativa da UPA, professora Vânia Lúcia Sant´Ana. 

O espaço – A professora Silvia Tintori destaca que o CAI-CMS será um ambiente agradável que permitirá momentos lúdicos para todos: pacientes e familiares. 

A arquiteta Yvaldyne Maria Neves de Couto Melo é a responsável técnica do projeto e trabalhou ao lado de dois outros arquitetos: Talita Rezende Torcato Pereira e Marco Antonio Goes. A Unidade de Saúde Física e Mental possui 1.185 m² e será constituída de uma Academia ao Ar Livre Adulto, uma Academia Infantil, piscina de hidroterapia, sala de musculação, consultório multidisciplinar, vestiários e sanitários. Sem contar com o Serviço de Atendimento ao Autista, que terá salas de atendimento individual e em grupo. As obras devem começar até o meio deste ano.

A professora Silvia Tintori ainda lembra que a equipe que vai assistir aos pacientes que necessitam de reabilitação é multidisciplinar. Será composta de médicos de várias especialidades, principalmente, o fisiatra e o ortopedista; fisioterapeutas; terapeutas ocupacionais; psicólogos; assistentes sociais; enfermeiros, além do apoio administrativo. “É importante frisar que esse projeto vai contar com a participação de alunos e professores que darão suporte aos atendimentos, além da equipe de médicos e outros profissionais que já existem no HUM e outros que, a partir da demanda, serão trazidos para compor o grupo de atendimento do Centro”, explicou Silvia Tintori.

Segundo o superintendente do HUM, Maurício Chaves Júnior, o Centro vai ampliar o atendimento à população, “possibilitando ao hospital se tornar ainda mais importante na oferta de serviços especializados de saúde na nossa região”, explicou o gestor.

O Centro de Reabilitação está sendo financiado com recursos de emendas parlamentares de diferentes deputados: Edmar Arruda, Enio Verri, Luiz Nishimori, Ricardo Barros, Rubens Bueno, e do senador Álvaro Dias. O valor total da obra é de R$ 2.648.184,00.

Além das professoras Silvia Tintori e Vânia Lúcia Pestana Sant´ Ana, participaram da elaboração do projeto a chefe da Clínica de Ortopedia, professora Elisabete Kobayashi; a enfermeira do Ambulatório de Hematologia, Loide Souza Hirle Faustino; e a educadora Física e técnica de enfermagem do Ambulatório de Hematologia, Fátima Regina Pagnam. A iniciativa ainda conta com a participação do Assessor Especial de Planejamento do HUM, Edson Tochiaki Moribe;  o assessor especial de Infraestrutura, Ricardo Roberto Botter; a chefe da Divisão de Contabilidade e Finanças, Meiry Goto Moribe; e a  encarregada da Gestão de Contratos, Mirian Aparecida Micarelli Struett.