Tools

foto miolo fer peq

O sucesso da iniciativa comunitária foi pautado pela união de diferentes áreas

 

A multidisciplinariedade é muito importante dentro de uma instituição de saúde e, no Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM), não é diferente. Em um projeto que uniu a Unidade de Psicologia Aplicada (UPA) e o curso de Comunicação e Multimeios, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), é possível observar como são enriquecedoras iniciativas que possibilitam profissionais de várias áreas atuarem em conjunto e de forma integrada.

Procurada pela assistente social da UPA, Silvana Ribeiro Borges, para realizar um projeto na Semana Municipal de Prevenção ao Uso Abusivo de Drogas, Cristiane da Silveira Lima, professora do curso de Comunicação e Multimeios propôs promover Oficinas de Comunicação para jovens das comunidades próximas ao HUM, região onde UPA estava iniciando um projeto de intervenção social. “Como eu já estava ministrando a disciplina de Comunicação Comunitária, avaliei que essa ideia poderia ser desenvolvida com os alunos de Comunicação e Multimeios, o que seria bom para ambas as partes”, afirmou a professora.

A Comunicação Comunitária busca resgatar a cidadania e valoriza o princípio de que a comunicação é um direito de todos. Procura dar espaço de atuação para aqueles marginalizados e distanciados da grande mídia. Pensando nisso, foram criadas as oficinas que envolveram os membros da comunidade da Vila Vardelina. O objetivo foi proporcionar uma atividade ligada à comunicação com jovens, adultos e crianças do bairro com a ajuda dos alunos de psicologia. A ideia foi criar  um canal em que esse grupo pudesse se expressar como quisessem. Foi uma espécie de projeto piloto, que aconteceu pela primeira vez na comunidade. Houve algumas dificuldades, mas segundo ambas as coordenadoras foi uma experiência rica e cheia de aprendizados.

foto fer peq

Os alunos de Comunicação e Multimeios ficaram responsáveis por montar e executar as oficinas com suporte dos alunos da psicologia que participaram do projeto, as coordenadoras apenas supervisionaram para que tudo pudesse ocorrer como planejado. Foram produzidos vídeos, jornais, vlogs, livros e outros produtos de comunicação. “O Serviço Social da UPA atuou na articulação entre as áreas, as instituições e a organização dos grupos. A psicologia atuou como apoio e ou intervenção no processo grupal e na observação da realidade/ comportamento dos participantes”, explicou a Silvana Borges.

As oficinas aconteceram nos dias 14, 21 e 28 de julho com duração de cerca de três horas nas comunidades próximas ao Hospital Universitário Regional de Maringá.