Tools

RUF

A Universidade manteve a posição dos últimos dois anos. Considerando as universidades fundadas há menos de 51 anos, a UEM fica em terceiro lugar entre as universidades brasileiras e em primeiro lugar entre as paranaenses

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) é a 24ª melhor universidade do país, segundo o Ranking Universitário Folha (RUF), divulgado nesta segunda-feira, 18. A instituição manteve a mesma posição em relação ao ranking publicado nos dois anos anteriores. Entre as universidades paranaenses a UEM ocupa a segunda colocação.

No total foram avaliadas 195 universidades brasileiras a partir de cinco indicadores: pesquisa, internacionalização, inovação, ensino e mercado. Os indicadores passaram por ampla revisão nesta edição do RUF. Um exemplo é a quantidade de teses produzidas por docente, que foi incluída no item pesquisa.

O site do ranking também foi reformulado com a inclusão de novos filtros de busca. Além de comparar universidades de acordo com a natureza administrativa, Estado e município, é possível selecionar pelo tamanho e ano de fundação. Aplicando esse filtro a UEM aparece em terceiro lugar entre as universidades brasileiras. Se considerar apenas o Paraná, ela está na primeira posição no RUF.

O reitor da UEM, Mauro Baesso, comemorou a divulgação do ranking e a posição ocupada pela Universidade que, segundo ele, vem consolidando sua posição de liderança entre as universidades brasileiras. Baesso destacou a novidade do RUF que ao listar universidades com características similares permite uma comparação bem mais efetiva entre as instituições. 

Baesso ainda lembrou que com apenas 47 anos , a UEM traz uma particularidade que merece ser citada. Entre os 62 cursos de graduação que a instituição oferece, metade foi criada a partir de 2000. “Isso demonstra que a Universidade ainda está em formação e ao mesmo tempo evidencia um forte potencial de crescimento”, diz o reitor. “A Universidade pode chegar, em um futuro próximo, a contar com 62 cursos de mestrado e de doutorado, podendo aumentar esse número se forem implantados cursos interdisciplinares”, explica o reitor. Atualmente a UEM oferece 52 cursos de mestrado e 26 de doutorado.

Baesso também destaca que vários cursos da UEM figuram entre os de maior demanda no país. Agronomia e Ciências Contábeis, por exemplo, estão na décima posição, Engenharia Química em décimo primeiro, e Moda, que é um dos cursos criados depois de 2000, aparece em décimo quarto lugar.

Como faz anualmente, o RUF avalia os 40 cursos com maior número de ingressantes e, por esse critério, na lista do ranking de cursos estão 33 graduações da UEM. Desses, 19 estão entre a décima e vigésima quinta colocação.

Entenda os critérios de avaliação do RUF

Pesquisa: considera o número de trabalhos acadêmicos publicados em revistas nacionais e internacionais, o impacto destes trabalho que é medido pelo número de citações, além do montante arrecadado para pesquisa.

Ensino: leva em conta a nota média dos alunos no Enade e aspectos ligados ao corpo docente da instituição, como dedicação em carga horária e titulação. Além disso, considera a opinião de docentes sobre as instituições, levantada em pesquisa do Data Folha.  

Internacionalização: o critério é a quantidade de trabalhos em colaboração internacional e o impacto global de estudos da universidade em dados coletados na Web of Science.

Inovação: é usado o número de patentes pedidas pela universidade nos últimos dez anos.

Mercado de Trabalho: considera a opinião de 5.793 profissionais de RH consultados pela Data Folha em 2015, 2016 e 2017 sobre a preferência de contratação.