Tools

foto imprensa

Propostas estão entre as 15 propostas inovadoras que contribuem para o fortalecimento do SUS

Dois projetos da UEM (Universidade Estadual de Maringá) representam o Paraná entre as 15 propostas finalistas no Laboratório de Inovação em Educação na Saúde do Ministério da Saúde. O foco é selecionar inovações e experiências de sucesso que potencializam a formação e qualificação dos trabalhadores e profissionais de saúde e que têm grande potencial de replicação no SUS (Sistema Único de Saúde). O resultado foi divulgado nesta quarta-feira (23), foram 251 inscritos em três etapas de avaliações.

“A Reorientação da Formação por meio da Educação Interprofissional e Prática Colaborativa – Pró-Saúde e PET-Saúde” é coordenado por Rozilda das Neves Alves Vidigal, professora do Departamento de Psicologia, coordenadora do PRO-Saúde PET-Saúde em Maringá e atual Diretora de Assuntos Comunitários da PRH-UEM. O trabalho foi desenvolvido em 21 Unidades Básicas de Saúde de três municípios da região Noroeste do Paraná e teve como objetivo apresentar a implementação das disciplinas de Atenção à Saúde I e II que foi baseada e planejada com o objetivo de preparar o estudante para a prática colaborativa por meio da aprendizagem em equipe interprofissional, desenvolvendo competências para este fim, baseado em metodologias ativas de ensino e aprendizagem.

Rozilda explica que a proposta desenvolvida pelo PRO-Saúde PET-Saúde, é única no Brasil, portanto inovadora, pois congrega ações de formação conjunta para sete cursos das Ciências da Saúde (Medicina, Odontologia, Enfermagem, Psicologia, Farmácia, Biomedicina e Educação Física), em componentes curriculares comuns obrigatórios, com aulas em pequenos grupos mistos de estudantes, adotando metodologias ativas de ensino aprendizagem, vivenciadas na realidade do serviço, de acordo com o que tem sido preconizado pelas Diretrizes Curriculares Nacionais. “Pode-se mencionar que se trata de uma proposta que dá continuidade a uma formação interprofissional e de práticas colaborativas que estão sendo construídas por atores do ensino (UEM) e dos serviços (Secretaria de Saúde do Município), parceiros de trabalho ao longo dos anos”, afirma a pesquisadora.

Mitsue Fujimaki, professora do Departamento de Odontologia, na área de Saúde Coletiva, coordena a experiência intitulada "Empoderamento de lideranças por meio da educação profissional para estimular processos de mudança na atenção odontológica", que se refere ao Curso de Qualificação da gestão do SUS em Saúde Bucal, fruto de uma parceria da UEM com o Ministério da Saúde e Secretaria de Saúde do Estado do Paraná desde 2010. “O prêmio recebido pelo Laboratório de Inovações em Educação na Saúde tem grande importância para a divulgação do processo de qualificação dos profissionais de saúde ocorrida no Paraná, para ampliar a visão sobre as necessidades de mudanças nos serviços, despertando o protagonismo, o trabalho colaborativo e a educação permanente no SUS. Este processo inovador, de fácil replicabilidade, tem o potencial de expansão para todos os Estados do país", ressalta.

Com o tema Educação Permanente em Saúde, a seleção é uma parceria do Ministério da Saúde, por meio do Departamento de Gestão da Educação na Saúde da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (DEGES/SGTES) e a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).

As 15 propostas finalistas receberão certificado de reconhecimento dos projetos, serão sistematizadas e publicadas na Série Técnica NavegadorSUS. A data da cerimônia pública de premiação ainda não foi divulgada.