Tools

2018 06 29 Reuniao da associaçao dos imigrantes com a reitoria IMG 6825

Por meio de uma associação, imigrantes querem firmar parceria com a Universidade e promover a integração entre as partes

Estrangeiros residentes no município e em cidades da região metropolitana apresentaram à Universidade Estadual de Maringá (UEM) uma pauta de reivindicações como forma de estreitar os laços de integração entre as partes.

Recebidos, hoje (29), pelo vice-reitor Julio Damasceno, os estrangeiros solicitam desde apoio técnico para acompanhar o processo de revalidação de diplomas até pedido de vagas para bolsistas na área de integração e acolhimento de migrantes de outros países.

Apresentada em nome da Associação dos Estrangeiros Residentes na Região Metropolitana de Maringá (AERM), presidida pelo venezuelano Erick Pérez Ortuño, a pauta inclui, ainda, entre outros itens, a solicitação de espaço de uma hora semanal na Rádio UEM FM, além de uma parceria para organizar um seminário na área de pesquisa e estudos migratórios.

Damasceno lembrou que existe um compromisso do Brasil em oferecer acolhimento aos imigrantes e, neste contexto, a UEM busca caminhos para que esta integração, formalizada por entidades representativas como a AERM, seja completa.

O vice-reitor destacou, ainda, que a Política Institucional do Refugiado e Imigrante em Situação de vulnerabilidade da UEM, formulada sob a supervisão da Pró-Reitoria de Ensino (PEN), deve ser votada pelo Conselho Universitário (COU) nos próximos dias. O texto já foi aprovado pela Câmara de Planejamento do COU.

Segundo Damasceno e a pró-reitora de Ensino, Ana Obara, que participou da reunião, esta política vai apontar as diretrizes inerentes à questão do estrangeiro na instituição em seus múltiplos aspectos. Obara disse, ainda, que a UEM já está efetuando a revalidação do diploma. 

A AERM também deve encaminhar para a Universidade a proposta de um amplo convênio, contemplando as áreas do ensino, pesquisa e extensão.

Erick Ortuño afirma que os estrangeiros sentem muita gratidão pelo fato de a UEM abrir as portas e dar o apoio necessário para, na medida do possível, resolver alguns problemas dos imigrantes residentes em Maringá. O diretor de Assuntos Acadêmicos da UEM, professor Ronaldo de Lara Gonçalves, também acompanhou o encontro.