Tools

2019 06 05 Professor Lucas Psicologia 1735

Doutor em Psicologia, Lucas Soldera estimula que pessoas previnam-se com hábitos saudáveis e tempo para lazer

Profissionais especializados e a sociedade estão cada vez mais com os olhos voltados à Síndrome de Burnout, do Esgotamento Profissional ou simplesmente Burnout. Isso é justificável pelo fato de que no mundo atual há enormes cobranças na vida profissional – na qual muitas vezes as qualificações precisam beirar a perfeição, as atribuições são maiores que a carga horária de trabalho, a concorrência é exorbitante e as cobranças vêm de todos os lados, todo o tempo.

De língua inglesa, “burnout” significa “combustão”. Lucas Martins Soldera, chefe do Departamento de Psicologia (DPI) da Universidade Estadual de Maringá (UEM), compara que, ao invés da gasolina, o combustível é a energia humana, ou seja, ocorre quando o paciente fica “esgotado física e psiquicamente, principalmente por questões relacionadas ao ambiente de trabalho”. Diferentemente do que possa parecer, o Burnout não atinge apenas o trabalhador, mas igualmente pode acometer estudantes e desempregados. “O trabalho não é só desempenhar uma função, é se relacionar, criar sentido naquilo que faz e ter prazer em uma determinada atividade, com carteira assinada ou não”, observa o doutor em Psicologia.

Ainda de acordo com o professor, as causas do Esgotamento Profissional estão ligadas principalmente a: aumento de pressão, cobranças e responsabilidades; tensão; estresse; condições ruins de trabalho; carga horária excessiva; falta de férias e de autonomia; e conflito de valores pessoais com a atividade desempenhada. “Cada dia mais é frequente a necessidade da produtividade, da excelência e da competitividade. Vivemos num mundo de trabalho que está sendo precarizado”, aborda Soldera. Ferramentas que deveriam facilitar o dia a dia, inclusive o profissional, como o smartphone, estão contribuindo para o esgotamento. “Trabalhamos constantemente, em tempo integral, e não percebemos”.

Histórico – O Burnout não é novo, foi descoberto em 1974 pelo psicólogo Herbert Freudenberger, de acordo com a Revista Brasileira de Medicina do Trabalho. E há 20 anos, a Portaria 1.339/99 do Ministério da Saúde já o colocava como uma “dificuldade física e mental relacionada com o trabalho”. Soldera acrescenta que desde 2010 o Burnout também aparece listado na Classificação Internacional de Doenças (CID) e fala que nem sempre se manifesta sozinho, pode vir associado, por exemplo, a depressão, Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho (Dort). No mês de maio, a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que incluiu o Burnout na 11ª Revisão da CID (CID-11) como “síndrome resultante do estresse crônico no local de trabalho que não foi gerenciado com sucesso”.

 

Sintomas e tratamento

Para ser diagnosticada com Burnout por psicólogo ou psiquiatra, o chefe do DPI informa que a pessoa deve estar em uma situação constante e prolongada de esgotamento. Os principais sintomas, apontados por ele, são:

• Atitudes negativas;

• Falta de significado no que faz;

• Desprazer nas atividades cotidianas;

• Autodesvalorização;

• Distúrbios do sono;

• Cansaço;

• Dor de cabeça frequente;

• Dificuldade de concentração;

• Distanciamento das relações pessoais;

• Sensação de fracasso;

• Mudança repentina de humor;

• Alteração no batimento cardíaco.

A psicoterapia, correlacionada ou não com prescrição de remédios como ansiolíticos e antidepressivos, é a forma mais adequada de tratamento, conforme o doutor, que enfatiza que a automedicação não cabe jamais. “Em muitos casos, a efetiva mudança de rotina e estilo de vida já auxilia muito”, estimula o psicólogo.

 

Prevenção do Burnout

O trabalhador tem que permitir-se ir a eventos culturais e de lazer, ter vida social saudável, praticar modalidades esportivas, frequentar uma religião caso tenha interesse, dedicar um tempo para não fazer nada e tirar férias de verdade, que é “ter um tempo seu, distante daquilo que você faz no dia a dia”.

 

Serviços de apoio

Professores e técnicos administrativos da UEM podem procurar o Ambulatório Médico e de Enfermagem, no Bloco 01 do câmpus sede, em Maringá (PR). Informações podem ser obtidas por meio do telefone (44) 3011-4266.

Estudantes da UEM que precisarem de apoio podem recorrer à Unidade de Psicologia Aplicada (UPA): Avenida Mandacaru, 1.690, também em Maringá. O telefone para tirar dúvidas é o (44) 3011-9070 /9072.

Para a comunidade externa, há serviços privados e também a Rede de Atenção Psicossocial (Raps), encontrada no Sistema Único de Saúde (SUS).