Tools

Vai esta conselho

Representantes da entidade visitaram a Reitoria; entidade prepara um documento como moção de apoio à Universidade

O Conselho Municipal de Educação manifestou, hoje (5), durante visita à Reitoria, uma moção de apoio à Universidade Estadual de Maringá (UEM) na luta para reverter os cortes orçamentários determinados pelo governo do Paraná.

Recebida pelo reitor Julio Damasceno, a comitiva, composta pela presidente do Conselho, Priscila Guedes da Luz, e mais seis conselheiros e conselheiras comunicou estar atenta aos fatos e solidária com a instituição no enfrentamento do problema.

"A UEM é um patrimônio da cidade e estas questões nos deixam preocupados", disse Priscila. Segundo ela, a moção, que ainda será entregue à Reitoria como documento, foi elaborada a partir dos informes levados ao Conselho pelas representantes da UEM na entidade.

Além da pró-reitora de Ensino, Leila Pessoa Da Costa, que representa a Universidade como titular, a professora Natalina Francisca Mezzari Lopes, do Departamento de Fundamentos da Educação (DFE), participa na condição de suplente.

Outra finalidade da visita, conforme a presidente do Conselho, foi entender, na conversa com o reitor, como a UEM vai funcionar diante do contingenciamento, pelo governo, dos 20% do orçamento e por conta da Desvinculação de Receitas de Estados e Municípios (Drem), que retém 30% das receitas próprias.

vai a segunda

Damasceno explicou que a continuar esta situação, a partir do início do segundo semestre serviços prestados por setores como o Laboratório de Ensino e Pesquisa em Análises Clínicas (Lepac), Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aqüicultura (Nupélia) e o Restaurante Universitário ficarão muito prejudicados.

O Conselho Municipal de Educação já visitou o prefeito Ulisses Maia e agora, após a visita a UEM, pretende se reunir com representantes do Observatório Social, do conselho local do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), da Câmara de Vereadores, e da Frente Parlamentar Mista Suprapartidária de Apoio às Universidades, com o objetivo de convidá-los para uma reunião ampliada visando discutir saídas frente às dificuldades em relação ao ensino superior e ao ensino básico.

Sobre o ensino básico, Priscila se referia à possibilidade de se acabar o Fundeb, uma vez que a lei federal que criou o fundo se extingue no final de 2020. Além de o Ministério da Educação não ter se manifestado sobre o assunto ainda, há a preocupação com o fato de o MEC ter anunciado a intenção de desvincular a obrigatoriedade dos 25% do orçamento federal destinados à educação nas três esferas. 

uem tv