2019 09 25 Professor Marcelo Tragtenberg Palestra Cotas raciais Runiao CEP 0858 13 01

Marcelo Tragtenberg é diretor de Ações Afirmativas e defende cotas como forma de promoção da igualdade racial

Em discussão: a reestruturação do sistema de cotas na Universidade Estadual de Maringá (UEM). O grupo Professores Pró-Cotas Raciais na UEM pede a inclusão de cotas para negros (pretos e pardos) no vestibular. E de modo a levar informações a conselheiros do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEP), onde a causa tramita, organizou palestra do professor Marcelo Henrique Romano Tragtenberg, diretor de Ações Afirmativas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

A proposta para implantação do sistema de cotas raciais na UEM foi apresentada ao CEP, pelo Coletivo Yalodê-Badá, em setembro do ano passado. Agora, o assunto voltou a ganhar destaque, já que esse grupo de docentes foi criado em agosto de 2019 para dar robustez à pauta. Quem também apoia a causa é o Núcleo de Estudos Interdisciplinares Afrobrasileiros (Neiab) da universidade.

Tragtenberg palestrou na tarde de ontem (25) no auditório do Bloco C-34 do câmpus sede. De acordo com ele, as cotas para negros ajudam a promover a igualdade racial, o que “beneficiaria a sociedade como um todo”. E conforme dados apresentados, a desigualdade racial não está só na educação, mas abarca renda e até causas de morte, gravidez e homicídios. “A grande importância das cotas para negros nas universidades é que as pessoas tomem consciência do racismo estrutural brasileiro. Se você tem discriminação contra 54% da população, não há como mudar o país. Racismo é problema social e deve ter envolvimento de todos”.

 

2019 09 25 Professor Marcelo Tragtenberg Palestra Cotas raciais Runiao CEP 0858 13 02

Reestruturação do sistema de cotas no vestibular está em pauta no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

 

O doutor aproveitou para explicar o que são ações afirmativas: políticas de prevenção ou neutralização da discriminação, com valorização da diversidade. Nelas estão inclusas as cotas. Para esclarecer dúvidas sobre isso, o Neiab preparou folheto informativo e Tragtenberg abriu espaço para perguntas, além de no fim da tarde ter feito roda de conversa em frente ao Diretório Central dos Estudantes (DCE).

Até o momento, a UEM conta com cotas sociais no vestibular. De acordo com a Comissão Central do Vestibular Unificado (CVU) da UEM, “20% das vagas do processo seletivo são destinadas, em cada curso, turno e câmpus, aos candidatos optantes pelo Sistema de Cotas Sociais”. Para participar é preciso que o candidato tenha cursado toda a educação básica em escola pública e que a renda bruta mensal da família não ultrapasse 1,5 salário mínimo per capita, dentre outras exigências.

Faça parte – Docentes da UEM com intenção de integrar o grupo Professores Pró-Cotas Raciais na UEM podem manifestar esse interesse ao enviar e-mails para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..